MATÉRIAS

Obras da usina nuclear de Angra 3, em Angra dos Reis (RJ)

ANGRA 3: UMA RETOMADA INADIÁVEL

O prosseguimento da construção da Usina Nuclear Angra 3 é importante para dar segurança energética ao país, imperativo para a retomada econômica do Rio de Janeiro e imprescindível para evitar a dilapidação dos recursos públicos já investidos na construção dessa usina, cujo montante supera os R$ 7 bilhões, sem falar nos custos de manutenção da obra parada que está na casa de dezenas de milhões de reais anualmente.

Quando se consideram os custos que serão incorridos pela sociedade em caso de desistência da retomada das obras de Angra 3, verifica-se que estes são muito maiores que os necessários para a conclusão da obra. Logo, desistir de concluir a usina significa privar o Brasil de uma fonte de energia barata, que não gera gases do efeito estufa e que, em sua construção, gerará empregos tão necessários em âmbito estadual e nacional.

Desta forma, a adequação das condições de financiamento de obra de tal relevância é medida fundamental para que sua construção seja um marco na retomada da economia fluminense, sendo inadmissível que não se encontrem instrumentos financeiros para concluir as obras de Angra 3, faltando para a sua conclusão aproximadamente R$ 14 bilhões.

Do ponto de vista ambiental, a Agência Internacional de Energia Nuclear verificou no seu último relatório que a energia atômica é uma fonte que contribui para o desenvolvimento sustentável, já que não produz gases do efeito estufa para gerar energia elétrica. Ademais, o escrutínio a que são submetidas as usinas garante que sua operação esteja de acordo com as determinações nacionais e melhores práticas internacionais, o que garante a segurança da operação das usinas.

Adicionalmente ao papel como garantidor da segurança energética brasileira, a construção de Angra 3 assume preponderância no debate fluminense. Isto porque o Rio de Janeiro foi um dos Estados mais atingidos pela crise econômica, sendo especialmente insidioso o grave aumento do desemprego no período, fazendo com que o Rio de Janeiro seja atualmente o Estado com o maior índice de desemprego na região Sudeste, com uma taxa de 15%.

Neste sentido, causa perplexidade que uma obra de grande magnitude, com a capacidade de gerar centenas de milhares de empregos diretos e indiretos continue parada nos últimos 3 anos em razão de entraves burocráticos e de um certo preconceito do governo e da sociedade que por falta de informação de qualidade nao consegue compreender a importância da conclusão de Angra 3.

A adoção de medidas que permitam a conclusão de Angra 3 é extremamente benéfica para a população do Rio de Janeiro, que verá a tão necessária criação de empregos no estado, enquanto em âmbito nacional, seremos dotados de uma fonte de energia muito confiável e segura, capaz de por si só abastecer integralmente as cidades de Belo Horizonte e Brasília, servindo como uma espécie de seguro necessário à expansão de fontes intermitentes de energia como eólica, solar e hídricas sazonais.

Diante da importância fundamental de Angra 3 é importante que haja uma reflexão ponderada sobre os benefícios econômicos advindos de sua retomada, bem como de seu papel para que o Brasil domine essa fonte de energia essencial para a geração de energia elétrica em países como os Estados Unidos e França, sendo crescentemente utilizada na China para substituir usinas termelétricas movidas a carvão.

Por isso, são alvissareiras as recentes notícias sobre a criação de um grupo de trabalho no âmbito do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) para discutir a retomada da usina, de Angra 3.

Fonte: Poder 360


Copyright Portal Obra24horas | 2005-2018
Contato: (011) 3124-5324 | Termos de Uso